LaTeX + WordPress

Janeiro 23, 2008

Ora aqui está qualquer coisa de muito importante que acabei de descobrir através do Cosmic Variance: como escrever equações neste blog, e apenas em WordPress, usando LaTeX… Fiquei arrepiado!

Tenho usado o Emacs Muse para este efeito.

Isto abre uma porta.

Aqui fica um exemplo (equação de Schrödinger):

i\hbar\frac{\partial}{\partial t}\left|\Psi(t)\right>=H\left|\Psi(t)\right>

Talvez os meu manos achem graça a esta coisa e se ponham a aprender LaTeX/TeX…

Preço vs valor 2

Janeiro 22, 2008

Além do exposto de que o preço não tem moral e que está separado do valor, há um outro problema. Quem avalia o valor das coisas? Eu? Tu? O Estado?

Uns dirão que é a comunidade (a versão que eu prefiro), mas mesmo dentro da desta há diferenças. Ou impomos os mesmos gostos e escolhas para cada um, ou permitimos a diversidade de valores. O resultado, nete caso, será o preço e um mercado que fará a distribuição dos produtos conforme as escolhas.

A alternativa não é livre… trata-se de impor valores e escolhas aos outros. Por exemplo, teriamos de ver todos os filmes do Manuel de Oliveira. O que era um manifesto disparate.

Preço vs valor

Janeiro 22, 2008

O preço está separado da questão do valor. O primeiro é uma forma de ter acesso a bens, o segundo é uma questão pessoal.

Se alguém cobra um preço elevado, tb há alguém que está disposto a pagá-lo. E qual é problema? se ambos fazem-no de livre vontade?

Um contrato, livre, não faz ninguém pior. Há sempre a possibilidade de não o subscrever. Não significa que ambos ganhem o mesmo.

Para que o mercado seja mais equitativo, que não o é, há que promover a concorrência, o livro acesso e iniciativa e a regulação. Mas isso são outras questões.

Pachecal

Janeiro 22, 2008

A última entrevista de Luiz Pacheco através do: bibliotecariodebabel.

Só percebo o porquê do aviso no Sol:

“Adverte-separa o facto de incluir expressões obscenas e insultuosas.”

pela imaginação de quem lê o texto. Mas fará isto sentido?

O Preço e o Valor

Janeiro 21, 2008

O problema moral, digo eu, está em se achar que se tem aquele valor para pedir
este preço. O problema não está em pedir muito por uma coisa que tem muito valor
(o ar, ou a água, ou por que não petróleo, são bons exemplos), mas sim em
cobrar um preço muito alto por algo que não tem assim tanto valor, ou pelo menos
o seu valor não é facilmente entendido valer o que vale.

Se a economia de mercado funciona, como queres fazer crer, pelo ajuste dos
preços pela a oferta e a procura, e não pelo valor das coisas em si, porque até
isso é relativo, ou não, então como se controla a especulação do valor, não a do preço,
essa o mercado controla!?

Imoralidade dos salários

Janeiro 21, 2008

Aqui seguem os termos da discussão animada de ontem.

Tópico: será que há alguém pode receber 35 ctos por 30 minutos de consulta?

1. Que há médicos e outras profissões que exigem mto dinheiro por aparentemente pouco, há. Mas o mercado não tem conotações morais. Cada um cobra o que quer.

1a. Se houvesse conotações morais por indivíduos que recebem muito dinheiro, tb deveria haver pelos que estão dispostos a estourar. Cada um faz o que quer ao seu dinheiro, desde que legitimamente adquirido.
Se quiser estourar em bilhetes de cinema ou em consultas médicas não vejo problema.

2. Uma coisa é o valor outra é o preço. Há bens que tem um valor infinito e baixo preço (o ar que respiramos, p.ex) e outros o contrário (um filme do Manuel de Oliveira, o preço é superior ao seu valor). Qto ao valor das coisas pode haver conotações morais, qto ao preço não. O mercado, e consequentemente o preço, é uma forma eficiente, e nem sempre injusta, de afectar recursos.

2a. Pode-senão gostar deste sistema mercantilista, mas as alternativas são piores. O P. que disserte acerca do tema.

3. A Grande questão, a meu ver, é porque é que um médico pode cobrar 35 ctos por meia hora tendo em conta o nosso nível de vida. Essa é a verdadeira questão.

Mas:

a. Não há médicos que queiram trabalhar por menos
b. o nosso serviço público é irresponsável e não activo
c. Porque se não se pagar esse valor há médicos que não fazem horas extraordinárias.
etc.

4. Por fim, não vejo qual o problema de alguém ganhar muito. O mal está naqueles que ganham pouco. Essa para mim é a prioridade.

(a estreia bloguista. EHEHEHEHEH)